O que os advogados previdenciários esperam de um bom programa de cálculos?
Avalie esse post!

O que os advogados previdenciários esperam de um bom programa de cálculos?

por | Direito Previdenciário, Tecnologia | 3 Comentários

E ALGUMAS PETIÇÕES DE PRESENTE

30 Petições Previdenciárias usadas em casos reais que deram certo

Receber as petições

Você sabe o que os seus colegas advogados previdenciários esperam de um bom programa de cálculos?

Depois de alguns anos testando o programa com escritórios parceiros, fizemos uma pesquisa com os advogados previdenciários para determinar o que eles esperam de um bom programa de cálculos previdenciários. 172 deles responderam abertamente o que esperam e somos muito gratos por todas as informações que eles nos deram!

Obs: Na época estávamos começando, mas esse número de participantes já traz uma boa representação dos advogados previdenciários, pois numa votação isso apresentaria uma margem de erro máxima de 6,3%, para 90% de confiabilidade, considerando população infinita e amostra aleatória.

OBS – DICA QUENTE: A Alessandra Strazzi, do Blog Desmistificando o Direito fez um post que você vai gostar: 7 dicas para escolher um bom programa de cálculos previdenciários. Guarde pra ler depois!!!

Mas pra quê isso tudo? Objetivos da pesquisa

A ideia dessa pesquisa era entender melhor os problemas que advogados como você enfrentam com cálculos previdenciários todos os dias. Minha intenção é usar esse conhecimento no Cálculo Jurídico e trabalhar firme para consagrar ele como o melhor software de cálculos previdenciários do Brasil.

Então vamos aos resultados da pesquisa, que foram surpreendentes. A pesquisa consistia em uma única pergunta aberta. A pessoa podia escrever o quanto desejasse. E teve gente que mandou textos incríveis! Era assim:

Quais são hoje seus dois maiores problemas com Cálculos Previdenciários que você absolutamente precisa que o Cálculo Jurídico resolva para você?

Resultados

Eu e minha equipe estudamos todas as respostas, anotamos pontos chave, e separamos as respostas em várias categorias. Depois agrupamos algumas categorias correlatas e o gráfico final ficou assim:

Gráfico - Atributos esperados num programa de cálculos previdenciários

Eu explico melhor cada categoria mais pra baixo. Mas ficou claro que os 4 maiores problemas, com mais citações são:

  1. RMI e data ideal para aposentadoria
  2. Exatidão e Atualização de Índices
  3. Dificuldades em cálculos e planilhas em Geral
  4. Revisões de fato e da vida inteira

Isto deixou bem claro pra gente a importância de calcular a RMI com exatidão e de ter uma forma de simular o melhor dia para a aposentadoria.

O que realmente importa para o advogado é calcular a RMI e as revisões mais comuns de forma rápida e fácil. Tudo isso sem que a pessoa tenha que entrar nos detalhes dos cálculos ou nas dificuldades de uso e de operação de planilhas e outros softwares.

Ficamos muito felizes com as respostas. A gente trabalha duro para eliminar essas dificuldades e garantir que esse software seja uma ferramenta para seu sucesso.

Comentários sobre as Categorias

Como comentei antes, eu e minha equipe pegamos cada texto e separamos as citações de todas as respostas em várias categorias. Foi um trabalho muito produtivo e coletamos muitas informações valiosas.

Depois juntamos algumas categorias correlatas nas do gráfico acima. Vou fazer alguns comentários breves sobre elas.

RMI e data ideal para Aposentadoria (16,7%)

Saber a RMI com precisão foi a dificuldade mais relatada. Associado a isso, muitos disseram que precisam poder variar com facilidade a DIB/DER e ver qual a melhor data para o seu cliente se aposentar e saber quanto ele vai ganhar nesta data.

O que é interessante disso, é que um software de computador bem pensado que calcule a RMI para uma determinada DIB, pode rapidamente calcular várias DIB’s e mostrar as RMI’s correspondentes de forma visual para o advogado. Esse planejamento previdenciário é algo que raríssimos advogados fazem no Brasil.

Se quiser ver como é possível calcular uma RMI em 20 segundos com CNIS extraído do novo portal do INSS, veja o vídeo deste post.

Exatidão e Atualizações índices (13,5%)

Manter os vários índices usados no direito previdenciário atualizados não é fácil. Eles são liberados em diferentes datas, com diferentes periodicidades e muitas vezes republicados por outras pessoas com arredondamentos errados e com precisão menor. Isso se refletiu neste item sendo o segundo mais apontado.

A exatidão também foi muito comentada, pois é algo em que vários sistemas de cálculos pecam.

Existe toda uma ciência nos detalhes dos cálculos. Veja os arredondamentos, por exemplo. Existem 3 formas de arredondar um número fracionário. Isso não pode ser negligenciado num sistema sério de cálculos. Essa é uma parte extremamente comum de errar no Excel. Só os arredondamentos já podem dar diferenças bem grandes nos cálculos. E os advogados estão sentindo isso. Um software bem projetado não pode abrir mão de ter testes automatizados muito fortes para todos esses detalhes.

Se tiver mais interesse nesta parte, veja este post: Porque você não deve confiar em programas de cálculos previdenciários.

Dificuldade em cálculos e planilhas em geral (13,1%)

Os cálculos previdenciários são extremamente complexos. Mesmo quem tem facilidade com cálculos se perde. O resultado da pesquisa refletiu bem isso. Mas é natural. O Advogado tem muita coisa para gerenciar ao invés de ficar lidando com picuinhas do cálculo.

E as planilhas não são uma boa solução para o problema. Elas não permitem fazer de forma consistente validações nos dados, travar elementos que não podem ser editados, gerenciar os cálculos dos clientes…

Se você quer buscar um cálculo, dá muito trabalho. Se você esbarrou e digitou algo em cima de uma célula com fórmula, quebra tudo. Não vale a pena. A estrutura da planilha simplesmente não permite abstrair a complexidade natural dos cálculos previdenciários.

Revisões de fato e da vida inteira (12,6%)

As revisões realmente são de extrema importância para um escritório previdenciário. No meu caso correspondem à maior parte do faturamento do escritório. Mas isso não faz com que elas fiquem mais simples de fazer e de analisar. Na verdade, é justamente o contrário, quanto mais ações de revisão temos, mais difícil é de gerenciar manualmente.

Por isso as pessoas estão relatando que precisam de uma ferramenta que seja intuitiva para fazer estes cálculos. Uma ferramenta que permita fazer revisões de fato com agilidade impacta diretamente no faturamento num escritório organizado.

Adequado para iniciantes (10,4%)

Achei muito legal que várias pessoas vieram abrir o coração nas respostas e falaram das dificuldades de ser iniciante na área de direito previdenciário. Um pouco disso é fruto do preconceito que existe de que esta área não é para iniciantes.

Eu não acredito nisso e sei que um dos principais fatores para algumas pessoas pensarem assim são os cálculos previdenciários. Mesmo os sistemas que existem e que deveriam ajudar as pessoas de forma fácil, exigem anos de prática e treinamentos.

Por isso acredito em sistemas que abstraiam de forma inteligente a complexidade dos cálculos e permitam tanto os iniciantes quanto os experientes fazerem cálculos exatos.

Simplicidade e guiamento nos cálculos (9,5%)

Como comentei no tópico anterior. É bem comum os sistemas de cálculos em geral, não só da área do direito, serem difíceis de usar. Eles jogam todas as opções na cara do usuário e esperam que ele consiga respirar num mar de variáveis.

Hoje estamos numa época em que os softwares devem ser simples como os programas que usamos e adoramos usar, como redes sociais, emails e sites de compras. O processo deve ser guiado e deve ser fácil procurar mais ajuda quando for necessário.

Valor da causa e tempo de contribuição (8,6%)

Extremamente felizes as pessoas que comentaram sobre estes tópicos. O tempo de contribuição deve poder ser calculado de forma rápida, assim como o valor da causa. Isso é um fator estratégico no escritório.

Agilizar casos em que o cliente ainda não preenche os requisitos libera mais tempo do escritório.

Tempo especial (8,1%)

Muito bem lembrado o caso do tempo especial. Hoje as melhores aposentadorias, e uma das maiores demandas judiciais, são as que possuem períodos especiais. O advogado deve poder calcular facilmente a conversão de períodos especiais para analisar em um único cálculo se seu cliente possui direito à aposentadoria por tempo de contribuição ou à aposentadoria especial.

Liquidação de sentença (5,4%)

Esse tópico me deixou curioso. Achei que seria um dos mais citados, pois tenho para mim que a liquidação e o cálculo de execução são fundamentais no nosso ramo. Mas também sei que muitas pessoas acabam deixando pro INSS calcular quanto elas vão ganhar. Isso acaba fazendo parecer que este item é menos necessário. Vou mostrar como faço um cálculo de execução no vídeo que estou fazendo e apresentar num caso real como dá pra ganhar dinheiro com os erros comuns cometidos pelo INSS.

Revisões raras e outros (2,3%)

Algumas pessoas relataram que estão com dificuldades em algumas revisões raras e casos bem específicos, como a Revisão do IRSM. É natural que estes casos tenham aparecido por último, pois uma revisão como a do IRSM é apenas para segurados que se aposentaram a mais de 20 anos. Faz muito tempo que não vejo um caso desses no meu escritório, mas o CJ calcula as RMI para os casos com DIBs anteriores a novembro de 1999 instantaneamente e ainda te diz qual revisão vai ser aplicada (IRSM, buraco verde, buraco negro, índice teto, etc). Você nem precisa escolher.

Muito interessante saber de tudo isso e poder focar nos pontos mais importantes para os advogados. Obrigado a todos que participaram da pesquisa!

Vamos continuar fazendo nossas pesquisas e entrando em contato com vocês regularmente para mantermos o CJ sempre afinado com as necessidade do dia a dia dos advogados.

E você!? pode me dizer nos comentários, quais são hoje seus dois maiores problemas com Cálculos Previdenciários que você absolutamente precisa que o Cálculo Jurídico resolva?

Descubra oportunidades e direitos escondidos dos seus clientes com essa Ficha de Entrevista Comentada para aposentadorias.

Rafael Ingrácio

Rafael Ingrácio

Especialista em Direito Previdenciário com mais de 10 anos de experiência em cálculos previdenciários e um dos fundadores do Cálculo Jurídico.
Ele tem uma paixão enorme por direito previdenciário e um bom café!

Artigos Relacionados

Decisão do Tema 810 – RE 870947

Vou te mostrar agora o que mudou com o julgamento do Tema 810 do STF, o impacto disto e o que você precisa colocar nas suas peças previdenciárias

O que é Carência no Previdenciário?

A maior parte dos advogados conta carência da forma errada, Então me esforcei pra explicar da forma mais simples possível o que é carência no previdenciário

Ei!?
O que você achou deste conteúdo? Conte pra mim aqui nos comentários ↓