Trabalhista

Como ganhar no previdenciário: Guia pra advs trabalhistas

Tempo de leitura: 27 minutos

Baixe o bônus do CJ

Uma excelente ficha de entrevista de presente

Cansou de adivinhar os direitos dos seus clientes? Baixe a ficha de entrevista trabalhista

Você é trabalhista e acha previdenciário complicado?

Migrar para previdenciário é mais fácil do que parece!

A verdadeira questão é: por onde começar?

Muitos advogados trabalhistas têm preconceito com previdenciário, eu mesma já tive, confesso!

Mas você não precisa ter!

E você ainda vai ganhar uma grana a partir de agora.

Quem nunca repassou clientes previdenciários para outros colegas e ficou se sentindo mal por não pegar aquela causa valiosa?

E depois descobriu que perdeu a chance de ganhar uns R$ 20.000,00 de honorários em um caso com vários anos de benefícios atrasados, que você tinha condições de atuar!

Neste post, feito “sob medida” para advogados trabalhistas, vou explicar como você vai conseguir advogar no previdenciário o mais rápido possível.

Acha isso difícil?

Tem 7 razões porque você consegue trilhar esse caminho.

A primeira delas é que você não precisa fazer uma pós ou especialização pra começar.

As outras 6 eu vou contar no decorrer do post através de uma prova real, porque primeiro preciso que você entenda uma coisa.

O problema não é falta de tempo, ter passado da hora ou qualquer outro obstáculo que alguns insistem em me dizer pra desistirem de uma nova área lucrativa…

Esses e outros obstáculos a gente mata um a um neste post.

E tem um ponto que muita gente ainda não percebeu: a Reforma da Previdência alterou a matéria pra todo mundo. Inclusive que já era da área, certo?

Ou seja, é o melhor momento pra você investir no previdenciário, porque agora todo mundo está em pé de igualdade nessa jornada!

Ao terminar de ler, você vai ficar 100% confiante de que é possível agregar mais essa área fantástica aos seu serviços.

Vem comigo!

2019: Prato cheio de novidades no Trabalhista e Previdenciário

Aumentar os seus lucros com a área previdenciária é uma possibilidade que está mais perto de você do que você pode imaginar.

E como eu sei disso?

Vou começar por três simples motivos:

  • Motivo 1: A Reforma da Previdência abriu um monte de oportunidades e falta advogado no mercado pra dar conta da demanda
  • Motivo 2: A Reforma da Previdência colocou muita gente no mesmo barco (inclusive quem já era expert antes), o que coloca você em pé de igualdade
  • Motivo 3: Eu tenho uma prova real pra contar de como isso é possível e porque eu decidi compartilhar com você

O ano de 2019 foi uma loucura tanto para os advogados previdenciaristas como para os trabalhistas, não foi?

Só nos grandes marcos teve:

Ufa, cansei só de citar tantos acontecimentos jurídicos 😂.

E estava difícil acompanhar tudo isso junto à correria do dia a dia (audiências, prazos, etc).

A minha sorte é que pelo menos eu e o Gabriel trocamos figurinhas entre as áreas 😂, mas confesso que quase fiquei sem respirar com tantas notícias.

Algumas novidades das duas áreas vieram até juntas como na MP 905/2019!

Não existem muitos advogados que podem dizer que conseguiram acompanhar tudo isso.

Sabe o que é mais difícil ainda?

Ter pessoas da sua família e clientes suplicando por ajuda e você se sentir de mãos atadas no meio desse furacão da vida advocacia. Já sentiu isso?

Eu já, mas calma.

Eu tenho uma história de uma amiga advogada trabalhista pra te contar que vai mudar a sua visão sobre ter medo de arriscar em mais uma nova área para o seu escritório.

Se a experiência dela foi sensacional, pra você também pode ser uma excelente maneira de começar o ano, não é mesmo?

A cliente que não dava para dispensar…

Tudo começou em outubro do ano passado…

A Gabi, minha amiga, tinha uma vida normal, era especialista só na área trabalhista, tinha seu escritório todo lindinho, um sócio cível e mais dois estagiários.

Sua vida era basicamente, escritório-justiça do trabalho-escritório-casa, uma rotina puxada, cansativa e com mais 546843 mensagens pra responder de clientes no WhatsApp.

advogada digitando

(Aposto que você sabe bem como é isso, né?)

Acontece que no ano da Reforma ela começou a notar um movimento absurdo de clientes pedindo ajuda com Previdenciário, já que sua clientela confiava 100% em seu trabalho.

Mas advinha o que a Gabi fazia com toda essa demanda que chovia em sua porta?

Ela não se sentia pronta e achava que não dava pra aprender e atender aos clientes.

Por isso, repassava todas as causas pra outra colega previdenciarista que naquele momento ganhava rios de dinheiro…

Não quero dizer que isso é errado sempre, ok?

Tem especialidades que não dá pra enfrentar mesmo, mas trabalhista e previdenciário são quase irmãos e não primos de terceiro grau 😂 (deu pra entender minha comparação? hehe).

A questão é que ela tinha uma oportunidade bem mais próxima do que ela imaginava.

Os clientes da Gabi suplicavam por qualquer orientação, mas ela se recusava a atender por não se considerar especialista e achar direito previdenciário coisa de outro mundo.

Talvez você já tenha sentido isso…

Eu super me identifiquei com a história da Gabi. Isso já aconteceu comigo e com vários outros colegas.

Porém o que a Gabi não esperava era por esse pedido irrecusável.

Era 1 mês antes da aprovação da Reforma da Previdência. Sua mãe estava prestes a se aposentar e ligou aos prantos por não entender o que podia acontecer com a aposentadoria dela.

(Pedido de mãe é difícil negar, né?)

Apesar de já ter quatro pareceres de especialistas em mãos, a projeção é que ela teria direito a se aposentar em pelo menos 3 regras diferentes dentro de um intervalo de mais ou menos 2 anos.

Parece complicado, né? Imagina pro cidadão comum!

Afinal, com sua aposentadoria em jogo, a dona Suzana (mãe da Gabi) precisava tomar uma decisão e estava bem insegura. E nada melhor do que confiar na sua filha advogada pra discutir e ajudar a decidir o melhor caminho…

Eu não sei você, mas já percebeu que pra nossos familiares não importa a especialização?

É advogado? Então você sabe de direito de A a Z?! Já leu o Vade Mecum inteiro, né?

E não adianta se explicar muito, eles ficam magoados se você não ajudar 😂.

Nesse momento a Gabi se lembrou de mim, pois mesmo sendo especialista como ela na parte trabalhista, ela sabia que eu estava direto em contato com a área previdenciária e que de alguma forma eu poderia ajudar.

Na ligação eu pude sentir a angústia dela quando ela me falou:

  • “Pelo amor de Deus amiga, eu não sei nada de direito previdenciário…“

  • “O que escuto nos noticiários parece grego, decifra pra mim…“
  • “Eu recuso há anos causas previdenciárias porque o meu tempo é corrido demais pra investir em outra área, mas agora meu telefone não para um minuto com dúvidas sobre essa tal da Reforma…“
  • Pra piorar, não sei nem como ajudar no caso da aposentadoria da minha própria mãezinha que todos os dias chora por não entender nada…

Primeiro eu tentei tranquilizar a Gabi, ela teria todo o meu apoio, pois eu sabia bem como era aquele sentimento.

Fiz algumas perguntas sobre o caso da mãe dela e em seguida enviei um material pra ela ler naquela noite.

Era um infográfico completinho que a ambientou sobre os todos os requisitos e regras da nova Reforma da Previdência.

O primeiro desafio já estava lançado e naquela noite ela se dedicou apenas a esses dois materiais práticos e resumidos.

Mas antes de te contar como foi o encontro com a Gabi pra realizar os cálculos, eu preciso comentar algumas percepções iniciais com você…

Na minha conversa com ela eu pude perceber alguns medos comuns que advogados trabalhistas passam ao se deparar com o Direito Previdenciário.

Alguns que eu mesma já passei, outros que sempre escuto de outros colegas trabalhistas.

Logo, organizei os 7 erros que todo advogado trabalhista usa como defesa pra se justificar em não atender um novo cliente, um familiar, enfim pra não entrar na área previdenciária.

Vê se você se identifica com alguns deles! Tenho amigos que gabaritaram..hehe

Os 7 erros mais comuns dos advogados trabalhistas …

Todas essas objeções são compreensíveis, mas será que ainda se justifica essa resistência para entrar de cabeça na área previdenciária e aproveitar o melhor dois mundos?

É fácil ficar tentando encontrar o plano ideal para mudar a cada ano que se inicia:

1. Não sou especialista, primeiro preciso fazer uma pós ou especialização

2. Não tenho tempo

3. Não tenho estrutura física e nem dinheiro pra investir

4. Não vejo conexão entre as áreas, são mundos muito diferentes

5. Não sei o que um advogado previdenciarista faz que eu pudesse também fazer

6. Não sei fazer cálculos trabalhistas, quiçá previdenciários

7. Não sei de nada do INSS e quero distância

As desculpas são tantas antes de entrar em outra área que a gente fica de mãos atadas. Perdemos ação ou sequer permitimos tentar.

Parece até a meta de emagrecer em todo início de ano hehe.

Não importa quantas vezes você marca o nutricionista e fala com o personal, pra começar o processo só ocorre com o primeiro passo (agir).

Só a ação gera resultado, concorda comigo?

O importante é começar e ter um software de cálculos confiável pra te auxiliar, até mesmo porque são infinitos cálculos e de fato não dá pra começar da noite pro dia a fazer cálculos.

É por esse motivo que resolvi começar o ano com a história da Gabi e como ela enfrentou o medo do Previdenciário.

A advogada trabalhista que enfrentou o medo do Previdenciário

Antes de continuar a contar o caso da Gabi, eu preciso contar como é a dona Suzana (a mãe dela).

Sabe aquelas pessoas doces, batalhadora e que trabalhou uma vida toda (desde menina, antes mesmo de ter uma carteira de trabalho), pra um dia se aposentar com tranquilidade e então desfrutar a vida?

Então, esse era o sonho da dona Suzana, e naquele momento nada mais justo do que colher os frutos plantados durante toda uma vida de trabalho.

No ano da Reforma, a dona Suzana estava muito frágil com as notícias sobre a Reforma, ela acompanhava tudo pra tentar entender um pouco do que ia acontecer.

Pra piorar, o seu empregador de mais de 15 anos resolveu mandar ela embora por problemas financeiros na empresa, o que acabou por antecipar uma angústia enorme sobre sua aposentadoria.

Ela começou a consultar inúmeros advogados.

Lembra de que ela pagou por 4 pareceres? Tanta consulta assim saiu uma nota!

Apesar de tanta informação em mãos, ela estava insegura e não queria acreditar em nenhum deles.

Cansada de tentar entender sozinha e já sem poder gastar, ela não viu outra alternativa senão a de se socorrer a filha advogada: a Gabi.

Acontece que pra Gabi aquilo também era desesperador, afinal entender as regras de transição e ter a responsabilidade de explicar ou escolher o melhor cenário pra sua mãe era demais.

Dito isto, marquei um encontro com a Gabi pra eu apresentar uma solução de como ela poderia analisar isso: usando um software de cálculos previdenciários.

Era muita conta pra ela fazer sozinha na mão, então mostrei como eu faria! Adivinha qual eu mostrei? hehe.

Com o CNIS da dona Suzana em mãos, começamos a simular todos os cenários possíveis de aposentadoria e com isso visualizar a melhor estratégia a adotar.

Ah, e o melhor de tudo, durante a simulação todas as dúvidas foram de pronto respondidas pelo Suporte do CJ.

A minha amiga estava maravilhada, sem palavras pra descrever todo aquele apoio com especialistas tão receptivos da área previdenciária 💟.

E era só o começo…

Você se identifica com essa história?

Se você chegou até aqui, imagino que passou (ou tem medo de passar) por um sufoco parecido com algum familiar ou colega!

Então, vou dar uma pausa na história da Gabi.

Antes de contar como ela conseguiu concluir a análise da aposentadoria da mãe dela e tirar de letra todos os cálculos, já quero te dizer que você também vai conseguir.

Veja as sete razões do porque você consegue trilhar o mesmo caminho da Gabi.

7 razões porque você consegue trilhar o caminho previdenciário!

Olha, a gente percebeu tudo isso durante a conversa.

Então, decidi organizar aqui pra encorajar você também a seguir este caminho!

A sexta foi a fundamental para ela tomar a decisão de analisar o caso e vencer os medos.

Primeira Razão: Dá pra começar sem Especialização!

Fazer uma pós ou uma especialização em Direito Previdenciário não é a melhor forma de começar.

Isso porque:

  • Uma pós demora de 12 a 18 meses (isso é muito lento pra você ter uma ideia geral de Previdenciário)
  • A noção é apenas geral e pouco prática
  • O aproveitamento do curso será pouco

Ana, que absurdo você é contra especializações?

De maneira alguma, já fiz várias e até MBA. Eu amo consumir conhecimento, inclusive foi por isso que saí da faculdade engatando uma especialização atrás da outra, sem respirar.

Agora me pergunta qual foi o proveito de tudo isso?

Eu te respondo sem o menor problema: uns 10%.

Garanto que o seu olhar técnico e de vivências vai contribuir bem mais para o seu aprendizado ao invés de chegar cru no curso.

Afinal, a gente aprende muito mais com as experiências.

A especialização pode vir depois!

É o quinto passo de um guia que já publicamos aqui no CJ.

Antes de fazer uma especialização, o Rafael Beltrão já dominava muita coisa da prática e mostrou como você também pode fazer isso.

Se você quer estudar previdenciário e atuar com sucesso na área siga estes 5 passos de Como Estudar Direito Previdenciário.

É um excelente norte pra quem está começando. Você vai descobrir que fazer uma pós é o último passo!

Segunda Razão: Tempo é dinheiro! O Previdenciário é mais rápido (e até moderno!)

O tempo é de fato algo muito valioso, mas o advogado previdenciário não precisa todos os dias bater ponto em fóruns pra atender os seus clientes.

E o melhor de tudo: os procedimentos administrativos são com hora marcada e com horários flexíveis!

Sem contar que o INSS está cada vez mais digital e eu já soube com o Gabriel que em vários estados a OAB e o INSS estão com convênios pra permitir o protocolo administrativo apenas com o uso do certificado digital da OAB 😃!

Olha só que demais. Tudo isso oportuniza que pela manhã você faça suas audiências trabalhistas com tranquilidade.

Por falar em audiência, o Previdenciário não tem audiências todos os dias, sem contar que elas seguem um padrão, bem diferentes das trabalhistas que a cada dia se mata um leão diferente, não é mesmo? hehe.

Ah e tem outra grande vantagem no fator tempo: sustentações orais.

São raras as sustentações orais no Previdenciário, aliás o negócio tá tão chique por lá que existe até sustentação oral por videoconferência.. Quer mais glamour que esse? hehe.

Ou seja, você não vai mais perder a sua manhã ou tarde inteira no Tribunal pra apenas realizar uma única sustentação oral. Sem contar o frio na barriga que dá, hehe.

Já te convenci?

Ainda não? Tudo bem, então confere mais essa 6 vantagens de agregar mais essa nova área em seu escritório:

  • Vantagem 1: Aqui são todos contra um inimigo comum: o INSS. Então, nem dá pena, não tem comoção com o outro lado hehe.
  • Vantagem 2: No Previdenciário não existe risco de execução frustrada. Você não tem preocupação de descobrir se se a outra parte tem ou não bens pra saldar a dívida (porque do outro lado é o INSS e este órgão é um bom pagador, hehe).

  • Vantagem 3: Os lucros são consideravelmente altos e de retorno rápido.

    • Em regra, a duração de uma demanda previdenciária é relativamente mais baixa, diferente de uma trabalhista que pode perdurar por anos (é claro que isso depende do tipo de benefício previdenciário e existem exceções)!
    • Existe procura por atendimento consultivo pelo cidadão, diferente do trabalhista, em que é mais comum o reclamante vir marcar a consulta após a rescisão. Já te conto mais que tipo de serviço é esse!
  • Vantagem 4: Você pode realizar consultorias sem sair de casa também, assim como na área trabalhista
  • Vantagem 5: Tudo você encontra na legislação federal e nas regras administrativas (é bem mais concentrado). Além disso, a jurisprudência é mais unificada. Se você reparar, a cada 10 julgados em recursos repetitivos 3 são de temas previdenciários

  • Vantagem 6: Previdenciário quase não tem audiência como no trabalhista, o que faz possível os dois mundos coexistir sem maiores dores de cabeça com agenda

São muitas as vantagens ao integrar a área previdenciária pra um advogado trabalhista.

Você pode percebê-las de maneira imediata e a curto prazo.

A seguir, as próximas razões que vão te convencer ainda mais disso.

Terceira Razão: Estrutura Física. Você já tem!

Assim como no trabalhista a maior parte dos clientes são pessoas de uma mesma classe econômica. Em geral, pessoas mais humildes.

Ou seja, você não precisa investir absurdos pra ampliar a estrutura física do seu escritório, até mesmo pra não dar aquela falsa impressão de que uma estrutura cara significa um alto valor de honorários.

A mesma estrutura que o advogado trabalhista hoje se utiliza, seja qual for, pode ser a mesma pra advogar no previdenciário.

Quarta Razão: Conexões entre as áreas. Mais do que você imagina…

Você já percebeu que essas suas áreas se comunicam de alguma forma…

Existem vários benefícios da Previdência com reflexo no contrato de trabalho, como o Auxílio-Doença, o Auxílio-Acidente, a Aposentadoria, o Salário-Maternidade e etc.

Além disso, consigo destacar rápido pra você mais quatro conexões fantásticas:

  • As duas áreas são de caráter social
  • Os princípios do Direito Previdenciário são a base de tudo, igual na área trabalhista
  • Os cálculos previdenciários são essenciais pro advogado previdenciário, idem para o advogado trabalhista
  • Boa parte das verbas arrecadadas pra Previdência derivam da folha de pagamento dos salários dos empregados

E olha só. Eu e o Gabriel arriscamos até uma tabela de cenários paralelos entre as duas áreas:

Previdenciário Trabalhista
Beneficiário x INSS Reclamante x Reclamado
Categorias de Segurado e Filiação (Qualidade de Segurado) Categorias de Contrato de Trabalho
Salário de Contribuição(Base de cálculo da contribuição previdenciária e dos benefícios) Salário e Remuneração(Base de cálculo de todas as verbas trabalhistas)
Espécie de Benefício Espécies de Verbas Trabalhistas
Reajustes da Renda Mensal do Benefício Reajustes Salariais
Cálculo de Valor da Causa Valor líquido dos pedidos da Petição Inicial
Liquidação de Sentença, Cumprimento de Sentença e Execução Liquidação de Sentença, Cumprimento de Sentença e Execução
Planejamento Previdenciário Planejamento Trabalhista (Compliance)

Você já visualizou mais algum além desses?

Comenta aqui no blog que a gente insere o seu também! 😁.

Quinta Razão: Você consegue realizar as atividades previdenciárias

Não sei por onde começar.

Essa é a razão principal de muitos amigos meus. Melhor, qual das atividades previdenciárias eu como advogado trabalhista consigo executar?

Você consegue todas!

Porém, vamos um passo de cada vez.

Se fosse o contrário você indicaria para um advogado previdenciarista começar por exemplo com compliance trabalhista? Acho que não, né? heheh.

Seria um verdadeiro trauma hehe.

Então a gente vai começar simples e focar naquilo que vai trazer um rápido retorno financeiro.

Ao focar no 80/20 do Previdenciário, você vai começar, vai ver resultado e vai se encher de confiança.

E eu tenho certeza que quanto mais confiança você ganhar, mais atividades você vai querer abraçar.

Confira as seguintes áreas de atuação possíveis no Previdenciário:

  • Concessão e Revisão de Benefícios

    • Consultiva – Antes de ir ao INSS

      • Análise de Requisitos e Cálculos
      • Planejamento Previdenciário
    • Contenciosa – Concessão de Benefícios Negados ou e Revisão de Benefícios Concedidos

      • Processo Administrativo
      • Processo Judicial
  • Empresarial – Prevenção de riscos e Planejamento de Tributos Previdenciários

    • Consultiva
    • Contenciosa

Na parte de benefícios os contratos são de risco (bem parecido pra quem atua com reclamantes).

Mas não é só isso!

Se você caprichar nos cálculos (já te mostro como), dá pra começar com o Planejamento Previdenciário (igual ao caso da Gabi) e ganhar uma grana rápida, algo em torno de 2 a 10 mil só pra fazer o cálculo. No CJ tem essa ferramenta show, e vários previdenciaristas já usam!

Olha, já na parte empresarial tanto uma consulta quanto a atuação contenciosa tem um grande valor agregado. É uma mistura de trabalhista, previdenciário e tributário! Não disse que tinham conexões?

O importante é começar. Comece pequeno, mas comece.

E você vai passar a ganhar muito dinheiro que ficava sobre a mesa, viu?

Quem pode te dar mais dicas de como ganhar dinheiro em cada uma dessas áreas no previdenciário é o professor Milvio, dá só uma olhadinha aqui.

E se você ficar com alguma dúvida é só deixar um comentário que prometo te ajudar nessa jornada ;).

Sexta Razão: Cálculos Previdenciários e Trabalhistas são amigos

Eu diria que aqui você tem a faca e o queijo na mão.

Hoje todos ou quase todos os advogados trabalhistas precisam ter uma noção mínima de cálculos desde a Reforma Trabalhista.

E algumas noções de cálculo você também aproveita no Previdenciário!

Por mais que você terceirize esse trabalho a um contador ou a um software, nunca é igual, não é mesmo?

Você sempre dá aquela conferida e tanta prática já consegue até visualizar onde está o erro (ou se tem algo fora de lugar).

Por isso, tenho uma notícia maravilhosa pra você.

Pra realizar cálculos previdenciários o caminho é bem semelhante!

E quem usa o Cálculo Jurídico conta com bastante ajuda, o que deixa tudo bem intuitivo porque você pode encontrar respostas em diferentes canais até ficar bem afiado na prática e ganhar segurança nos cálculos:

Você não precisa se preocupar de ter que aprender a utilizar um sistema complexo, nem em baixar atualizações e tabelas.

E o melhor dos mundos, muito em breve o CJ também vai ter os cálculos trabalhistas 😍.

E pra você não perder esse lançamento, deixe o seu e-mail, que a gente te avisa tintin por tintin.

Sétima Razão: Mercado aquecido com a nova Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência abriu um leque de opções aos advogados previdenciários e a melhor notícia é: tem peixe pra todo mundo. E dos grandes, hein?

São milhares de pessoas desesperadas em busca de seus direitos e revisões e você já sentiu na pele isso.

Chega de repassar causas previdenciárias de mão beijada pra outros colegas, assuma que você é capaz e faça você mesmo.

Esse post está recheado de dicas e razões concretas que vão te levar a isso de forma simples e prática.

Mas você ainda está com receio? Tudo bem!

Acompanha comigo o final da história da Gabi que esse sentimento vai passar rápido.

Como essa advogada trabalhista descomplicou a Previdência e fez sucesso!

Onde foi que parei na história? heheh…

Vou recapitular um pouco, me parece uma boa.

A Gabi é uma advogada trabalhista que me procurou desesperada pra saber como eu poderia ajudar em um caso previdenciário que ela não tinha como delegar pra mais ninguém: a aposentadoria da mãe dela, a dona Suzana.

Naquele momento passei um infográfico bem completinho pra Gabi entrar um pouco no contexto da Reforma e depois marcamos um encontro pra iniciar o planejamento da aposentadoria da dona Suzana.

Tudo certo até aqui? Agora dá pra continuar do ponto que parei na história…

Observe só os detalhes do caso e da quantidade de cálculos que era necessário pra formar um parecer pra dona Suzana.

Perto da promulgação da Reforma (12/11/2019), ela estava com:

  • 54 anos e 11 meses e 8 dias
  • 30 anos de contribuição, 04 meses e 21 dias

A Aposentadoria por Pontos estava quase pra atingir os requisitos.

Essa era uma regra mais vantajosa que ele estava esperando, sem Fator Previdenciário (nem precisa se preocupar com este detalhe agora, só tenha em mente que reduzia bastante o valor do benefício).

Mas não tinha jeito, seu aniversário seria após a promulgação da Reforma 😔.

Ou seja, as regras de transição chegariam e ela precisava saber qual seria o melhor cenário pra sua aposentadoria diante das novas alterações da lei.

Deixei a Gabi preencher alguns dados que o sistema pedia como:

  • Data de nascimento
  • DIB (Data de Início do Benefício)
  • Qual tipo de cálculo a ser realizado

Importamos o CNIS para o software e em segundos 5 cenários na mão!

Um relatório fantástico permitiu que a gente comparasse cada um dos cenários a seguir:

1 Aposentadoria por Tempo de Contribuição (Regra de Transição #1: Pontos)RMI R$ 4.719,61Coeficiente: 90%
Data Prevista: 05/09/2020
2 Aposentadoria por Tempo de Contribuição (Regra de Transição #2: Idade Mínima)RMI R$ 4.719,61Coeficiente: 90%
Data Prevista:29/11/2021
3 Aposentadoria por Tempo de Contribuição (Regra de Transição #3:Pedágio 50% + FP)RMI R$ 3.508,77FP: 0,6691
Data Prevista:05/11/2019
4 Aposentadoria por Tempo de Contribuição (Regra de Transição #4:Pedágio 100% + Idade Mínima)RMI R$ 5.244,01
Data Prevista:29/11/2021
5 Aposentadoria por Idade (Regra de Transição)RMI R$ 4.719,61Coeficiente: 90%
Data Prevista:29/11/2026

Como dá pra ver, era melhor a dona Suzana continuar contribuindo por mais alguns meses e se aposentar apenas em 05/09/2020, ao invés de 05/11/2019.

Isso porque pela Regra de Transição #3 – Pedágio 50% + Fator Previdenciário (FP) ela até preenchia os requisitos pra se aposentar naquele ano, porém com uma renda mensal inicial de R$ 3.508,77. Ou seja, um valor bem inferior ao que ela almejava.

Mas ela não tinha nadado tanto pra morrer na praia, com dizia a Gabi.

Porém, o programa mostrou que com mais 9 meses de contribuição (até 05/09/2020), ela conseguia elevar a renda da aposentadoria para R$ 4.719,61, o que é praticamente mil e pouco a mais.

Era muito mais válido aguardar pela Regra de Transição #1: Pontos 😃.

Pra resumir, e com todo o apoio do suporte online do Cálculo Jurídico, a Gabi conseguiu formar o seguinte parecer pra mãe dela:

  • Se a intenção era se aposentar logo em 2019, evidente que o cenário 3 era possível, mas com uma renda mensal muito abaixo do esperado
  • Se a intenção era receber valor de benefício maior (em torno de R$ 4.719,61) e existia a possibilidade de continuar a contribuir, a alternativa da Regra de Transição #1: Pontos – possibilita a concessão do benefício de maior valor e mais rapidamente (setembro de 2020)
  • Se a intenção é receber o valor de benefício maior ainda (em torno de R$ 5.244,01) e existe a possibilidade de esperar, a alternativa 4 possibilita a concessão do benefício em 29/11/2021.
  • As demais alternativas não são favoráveis

Olha só que incrível o parecer com detalhes que ela conseguir repassar a mãe dela.

Você consegue imaginar isso?

Joker andando

(A Gabi me descreveu que ela se sentiu igual na cena do filme do Coringa após dar o parecer – achei perfeita a descrição hehe).

Claro que ainda sim ela se sentiu um pouco insegura por não se considerar especialista na área (natural, também já me senti assim), mas quando ela foi comparar o resultado com os diversos pareceres de outros especialistas, ela deu um pulo de alegria.

Estava tudo certinho, aliás a mãe dela disse que aquele tinha sido o relatório de mais fácil leitura que ela havia recebido (e olha que ela já colecionava 4 😂).

A partir daí as duas conseguiram sentar juntas e entender com calma qual era o melhor cenário a seguir.

Depois de toda essa experiência, a Gabi veio toda feliz me contar que ela estava surpresa de como foi fácil usar o software e realizar aquele trabalho, além de dizer que ficou se perguntando por que não tinha feito isso antes.

Ela até complementou e disse que na cabecinha dela ela imaginava que pra manusear o sistema era necessário ter um mestrado ou doutorado, imagina só hehe.

Bom, mas prova de que era possível fazer parte de um grupo seleto de advogados trabalhista e previdenciário, em pouco tempo, estava ali.

O mais engraçado é que a Gabi e a dona Suzana morreram de me agradecer depois, mas eu não tinha feito nada além de dar uma simples orientação e apresentar o programa.

Ela fez tudo sozinha e foi a experiência de vida dela que me motivou a escrever esse guia porque depois disso ela resolveu mergulhar na área previdenciária também, o que aumentou a lucratividade do escritório da noite pro dia.

Quero entrar na área previdenciária: por onde começar?

A maneira mais fácil de começar é seguido estes 2 passos.

Primeiro você vai precisa de uma base mínima dos principais conceitos e descobrir quais são os principais requisitos e quais as espécies de benefício. Isso você vai encontrar nos seguintes posts e vídeos:

Segundo passo**é **escolher um programa de cálculo previdenciário pelos seguintes motivos:

  • Vai poupar tempo e facilitar a sua vida
  • Você vai ter maior segurança nos resultados
  • Os índices e ferramentas sempre estão atualizados
  • Existe checagem inteligente de resultados
  • Há notificações de erros – O programa ajuda você a lembrar de preencher uma informação essencial aos cálculos
  • Suporte – Sanar dúvidas com especialistas é parte essencial do seu aprendizado

Você viu como no caso da Gabi o fato do programa mostrar automaticamente vários cenários ajudou na melhor decisão?

Calcular um por um a mão é inimaginável. Além de quase um crime ambiental, de tanta folha que vai gastar hehehe

Tem que ser fácil só de bater o olho, comparar e entender porque aquela é a melhor escolha para o cliente.

Pronto. Agora, ao invés de repassar todos os clientes pra outro advogado, você está com a faca e o queijo na mão pra começar a ganhar muito dinheiro.

Comece com a atividade que você sinta que a porta de entrada mais fácil e depois aos poucos tente realizar outra.

É como passar de fases em um vídeo game, a diferença é que chegar ao chefão aqui representa mudar a lucratividade do seu escritório e ter mais qualidade de vida.

Essa é foi a missão da Gabi pra 2020 e pode ser a sua também.

Já pensou na satisfação pessoal que essa conquista vai te dar?

Conclusão

Você descobriu que a área previdenciária é uma mina de ouro pra quem é adv trabalhista.

O processo pra iniciar é bem mais rápido do que aprender a dirigir hehe…

E só por terminar de ler esse post já é um grande indício que você engatou a segunda marcha e vai ser um destaque na área.

Sabe a Gabi? Está feliz da vida, ela não só engatou a quinta marcha, como já mudou o layout do escritório, focou em um novo marketing jurídico e triplicou os lucros do escritório.

Você acompanhou o caso dela aqui e viu que durante anos a Gabi recusou causas previdenciárias.

Mas ela decidiu girar a chave e nesse dia a vida dela mudou!

A história dela mostrou que é possível começar a ganhar dinheiro com previdenciário agora!

Estamos no mesmo barco desde a Reforma da Previdência, afinal a matéria mudou pra todo mundo, até mesmo para os advogados mais experientes.

Além disso, você já sabe o começo de como virar um excelente advogado previdenciário e preparar o seu caminho de sucesso.

O que tem que ficar deste post é:

  • Você tem todas as ferramentas pra iniciar na área previdenciária
  • Tem mercado pra todos e a área está muito aquecida
  • As duas áreas têm mais conexões do que você imagina, o que torna o caminho bem mais rápido e fácil
  • Você já sabe por onde começar a ganhar dinheiro com previdenciário de forma rápida e sem dor

E, claro, quero te convidar a conhecer o Cálculo Jurídico e depois me contar da sua experiência.

(Você pode usar o Cálculo Jurídico à vontade por 15 dias.)

Conte com a gente pra fazer os seus cálculos e fique de olho em todos os links que te passei pra se manter super em dia.

Meu desejo é que você aproveite essa oportunidade, aumente o faturamento do seu escritório e perceba que a área previdenciária é bem mais simples do que parece.

Como a história da Gabi, você pode confiar!

Ah, e qualquer dúvida, deixa nos comentários. Eu e o Gabriel vamos adorar responder e ajudar você nessa jornada ;).

Artigos relacionados

Deixe um comentário aqui embaixo, vou adorar saber o que você achou!